> Noções Básicas
  > A "cura" da fibromialgia
  > Fibromialgia em pacientes
  > Fibromialgia Juvenil
Home Pacientes | Destaque | Outros Editoriais | Serviços | Pontos de Vista | Sites Recomendados | Cadastre-se
  Área Pacientes

  Fibromialgia
::Noções Básicas
::Freqüência na População
::Quadro Clínico
::Manifestações Associadas
::Diagnóstico
::Fibromialgia Juvenil
  Como Lidar
::Orientações Gerais
::Tratamento Medicamentoso
::Tratamento Não Medicamentoso
  Você não esta só
::Seu espaço
::Compartilhe conosco
  Aviso Legal
::Disclaimer
Pontos de Vista
Fibromialgia tortura mais de 4 milhões de pessoas no país

Daniel Feldman médico reumatologista

Essa doença caracteriza-se por dores no corpo, fadiga e alterações no sono. Ataca sobretudo mulheres, mas pode ocorrer também em homens. Não se sabe a causa, mas acredita-se que seu cérebro, pela diminuição da serotonina, perde a capacidade de regular a dor e os impulsos são interpretados erroneamente. Calcula-se que atinja 3% das mulheres e 0,5% dos homens adultos.

Fibromialgia é uma síndrome dolorosa crônica sem inflamação. O paciente sente dores no corpo inteiro. Não consegue nem dizer onde é, porque logo a dor aparece em outro local. Para caracterizar-se a doença, porém, é preciso haver dor por pelo menos três meses.

Dois outros sintomas estão presentes em mais de 80% dos casos: fadiga incapacitante e distúrbio do sono. Altera a qualidade, não a quantidade. Mesmo dormindo normalmente, o paciente diz que dorme mal e acorda cansado.

Doentes queixam-se, ainda, de formigamento principalmente nas mãos, nos pés e no meio das costas; sensação de inchaço; dores de cabeça; alterações no funcionamento do intestino – ora está preso, ora apresenta diarréia.

A fibromialgia é uma doença predominamente feminina – a proporção é de 20 mulheres para um homem. Manifesta-se em qualquer idade, mas sobretudo entre os 40 e os 60 anos. Talvez em decorrência da diminuição dos hormônios femininos na menopausa.

Acredita-se que esses pacientes percam a capacidade de regular a sensibilidade dolorosa. O controle da dor é feito pela serotonina, substância produzida no próprio cérebro. Sabe-se que os portadores de fibromialgia têm menos serotonina. Assim, muitos dos impulsos que chegam e saem do cérebro são identificados erroneamente como dor.

A diminuição de serotonina pode ser provocada por infecções virais, traumas físicos e emocionais graves. Essas causas se misturam nos pacientes e não dá para precisar qual a que provoca a doença.

Além do mais, mulheres que têm fibromialgia são perfeccionistas e detalhistas. Até ficarem doentes, são as melhores no trabalho, supermães e supermulheres em casa. Quando se iniciam os problemas, desmoronam e a auto-estima desaba. Quanto mais a perdem, mais aumentam os sintomas.

Chegam ao consultório apavoradas. Têem dor há muito tempo, nenhum médico descobre do que sofrem e acham que vão morrer. Às vezes, concluem que não podem estar com doenças graves há tanto tempo e não ter acontecido nada. Além do mais, amigos e familiares dizem que não têem nada e estão inventando. Passam a se achar loucas. Apavorando-se. A situação complica-se pois passam por muitos médicos, que, desinformados, não identificam a doença e dizem que o problema é somente psicológico.

Calcula-se que a doença atinja 3% das mulheres e 0,5% dos homens adultos nos Estados Unidos. Estima-se que os números do Brasil sejam iguais, o que daria mais de 4 milhões de pacientes.

Pessoas que tenham dores freqüentes, não identificáveis, devem procurar um reumatologista. Não se pode dizer que fibromialgia tenha cura, pois não se sabe a causa. Mas é possível controlá-la.

A doença não é identificável com exames. O diagnóstico é sempre clínico. O médico faz um exame físico no paciente. Há 18 pontos doloridos no corpo dos fibromiálgicos, como o músculo trapézio, nos ombros; dos dois lados do pescoço; dos glúteos; na região das juntas dos braços e das pernas, entre outros. Dores em 11 pontos são indicados como fibromialgia. Mas isso não basta. È preciso fazer exame de sangue para detecção de doenças que causam dores generalizadas, como o diabetes, o câncer e os problemas da tireóide.

Quando o médico detecta a fibromialgia,e deixa claro para o paciente que ele não é louco, já ocorre 20% de melhora. Melhora mais 20% quando fica sabendo que, apesar de dolorosa, a doença não mata. Os outros 60% a medicina nem sempre tem cura.

O único tratamento eficaz para a diminuição da fadiga e das dores e a regularização do sono são exercícios aeróbicos, como caminhar. Reequilibram o sono, elevam o nível de serotonina e melhoram a produção de hormônios femininos. Tem de ser feitos a vida toda.

Igualmente importante é uma mudança de atitudes pelos doentes. Não podem continuar perfeccionistas e detalhistas, exigindo-se demais. É fundamental, ainda, continuar no emprego. Deixá-lo poderia causar baixa ainda maior de auto-estima.

Essas medidas resolvem de 50% a 60% dos casos. Para o restante, é necessário o uso de medicamentos. O principal é o antidepressivo tricíclico em doses baixas. Eleva os níveis de serotonina e funciona como analgésico.

Revista Caras – 1998 – Edição 247 - nº 31

Imprimir



Mais Pontos de Vista
Fibromialgia tortura com dores pelo corpo
Marcha contra a dor
A Fibromialgia, quem diria, esta aí!
A dor feminina
Fibromialgia - Parte II
Fibromialgia Importuna Crianças e Adolescentes
Dormir de lado é o melhor para evitar dores
COMPREENDENDO A “DOR PSÍQUICA” DOS PORTADORES DE FIBROMIALGIA
Busca no Site


  Área Médicos

  Sites Recomendados
Fibromyalgia Network
Site informativo, com material educacional para leigos, web links, newsletters, calendário de eventos, atualiações sobre diagnóstico e tratamento, etc...


Leia mais...

  Apoio


Sociedade Brasileira de Reumatologia




Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor




Apsen Farmacêutica


Informações: 0800 165678 - infomed@apsen.com.br web by SiteCommerce.net